30 anos sem Buñuel

Por Alessandra Verch.

Luis Buñuel Portolés era um dos sete filhos de Leonardo Buñuel González e María Portolés Cerezuela. Buñuel nasceu em 22 de fevereiro de 1900 em Calanda, Teruel (Espanha) e é considerado um expoente da sétima arte. O diretor está no rol do cineastas mais importantes da história do cinema e, também, mais polêmicos.Luis Buñuel_2Buñuel, apesar de ser espanhol, desenvolveu sua carreira na França, para onde mudou-se em 1925 a fim estudar cinema e trabalhar, e no México, para onde partiu, em 1946, após morar nos EUA. No México, além de fixar residência, Buñuel se naturalizou cidadão mexicano.

De família abastada, o ainda jovem Buñuel muda-se para Saragoça onde estuda em um Colégio Jesuíta, o que influenciará o seu posterior posicionamento anticlerical e ateu. Em 1917 parte para Madrid para estudar. Lá convive com diversos artistas e realiza uma verdadeira imersão intelectual em várias escolas artísticas contemporâneas, como o dadaísmo e o surrealismo. É em Madrid, na famosa Residência dos Estudantes, que Buñuel conhece o pintor Salvador Dalí e o poeta Federico García Lorca, entre outras personalidades da chamada Geração de 27 (grupo espanhol de poetas e outros artistas vanguardistas que durou de 1923 a 1927).luis-bunuel-022891137-zoomSua primeira incursão nas artes teatrais foi em 1921 quando montou, com García Lorca e Dalí, uma paródia de Don Juan Tenorio (drama romântico publicado 1844 por José Zorrilla). Os três estudaram juntos durante algum tempo e muito se especula sobre a relação homoafetiva de Lorca (homossexual assumido) com Dalí e a não aceitação de Buñuel, reconhecido, também, por seu machismo contumaz.dali-moreno-villa_-luis-bunuel_-lorca_-rubio-sacristan

Dalí, Buñuel e Lorca são o primeiro, o terceiro e o quarto, respectivamente, da esquerda para a direita.

É nessa mesma época que Buñuel organiza as primeiras sessões do primeiro cineclube da Espanha, além de colaborar com alguns poemas para revistas Ultra e Horizon. Em 1925, Buñuel muda-se para Paris. Lá entra para a Academie du Cinema e começa a trabalhar com realizadores renomados, como Jean Epstein. Logo depois, escreve seu primeiro roteiro em homenagem ao primeiro aniversário da morte de Goya. No entanto, o projeto não pôde ser realizado por falta de financiamento. Em 2 de abril de 1929, começou a filmar, com a colaboração de seu (até então) fiel amigo Salvador Dalí, o que se tornaria seu filme mais conhecido e um verdadeiro manifesto surreal: O Cão Andaluz (Un chien Andalou), um filme mudo de 17 minutos que foi realizado graças a um empréstimo feito por sua mãe.

Em 1930, Buñuel dirige A idade de Ouro (L’Âge d’Or), filme produzido pelo visconde de Noailles que teve sua estreia em Paris marcada por enorme escândalo e comoção. A idade de Ouro teve, inclusive, sua exibição suspensa devido a reação de parte da população parisiense ao contundente ataque a moral e aos costumes da época. Foi durante a produção de A idade de Ouro que a amizade entre Buñuel e Dalí foi abalada devido a antipatia de Buñuel para com Gala Éluard, a polêmica musa inspiradora e companheira de seu amigo. Muito embora Dalí tenha colaborado com o filme, seu nome não consta nos créditos.dali-e-galaEm 1938, Buñuel parte para os EUA, onde conhece Charles Chaplin, Dolores del Río, Eisenstein, entre outros. Em 1941 passa a trabalhar para o Museu de Arte Moderna (MoMA) como conselheiro e chefe de montagem. Buñuel, que já havia se afastado do surrealismo, se aproxima cada vez mais de movimentos comunistas e passa a colaborar com a Associação de Escritores e Artistas Revolucionários. Em 1942, Dalí publica suas recordações “secretas” e relata o ocorrido durante as filmagens de A idade de Ouro, além de evidenciar (em tom de denúncia) a simpatia de Buñuel para com o comunismo. Dalí, à época, surpreendentemente, se mostrava um defensor da ditadura ultradireita de Francisco Franco, na Espanha.Buñuel dali 1933Em 1946, Buñuel é obrigado a partir para o México devido a perseguição aos comunistas nos EUA. No México, após uma breve temporada filmando comerciais, o artista retoma sua carreira e se recupera artisticamente, em 1950, com Os esquecidos (Los Olvidados). O filme rodado na periferia da Cidade do México retrata o cotidiano de um grupo de jovens marginalizados cujo futuro é trágico. Com Os esquecidos, Buñuel levou o prêmio de melhor diretor de Cannes, em 1951. Um ano após filmar Os esquecidos, o diretor começa a produzir uma série de filmes de evidente protesto social e de sóbrio realismo.

Em 1961, ele volta para a Espanha onde roda Viridiana. O filme foi bem recebido no Festival de Cannes, ganhando a Palma de Ouro, mas gerou descontentamento e ataques do Vaticano pela paródia aos valores cristãos tecida na película. Ironicamente, o filme foi promovido pelo regime de Franco junto ao Festival e após sua apreciação um pouco mais atenta o mesmo foi proibido na Espanha.

O Oscar de melhor filme estrangeiro veio com O discreto charme da Burguesia (1972).

Recentemente, Woody Allen retratou de forma cômica, em Meia-Noite em Paris (2011), a busca pela verdadeira idade de ouro nas artes. Diversos artistas que tiveram suas obras marcadas pela convívio enriquecedor com a cidade luz e seus habitantes foram expostos no filme, entre eles estão Buñuel e Dalí. Dá só uma conferida:

O último filme de Luis Buñuel foi Esse obscuro objeto do desejo, de 1977, rodado na Espanha e na França. Em 29 de julho de 1983 Luis Buñuel morreu na Cidade do México, aos 83 anos de idade.

Filmografia (como Diretor):

1977 Esse Obscuro Objeto do Desejo (França/Espanha)

1974 O Fantasma da Liberdade (Itália/França)

1972 O Discreto Charme da Burguesia (França/Itália/Espanha)

1970 Tristana, Uma Paixão Mórbida (Espanha/Itália/França)

1969 O Estranho Caminho de São Tiago (França/Itália)

1967 A Bela da Tarde (França/Itália)

1965 Simón del desierto (México)

1964 O Diário de uma Camareira (França/Itália)

1962 O Anjo Exterminador (México)

1961 Viridiana (Espanha/México)

1960 A Adolescente (México/EUA)

1959 Os Ambiciosos (França/México)

1959 Nazarin (México)

1956 La mort en ce jardin (França/México)

1956 Cela s’appelle l’aurore (França/Itália)

1955 O Rio E a Morte (México)

1955 Ensaio de Um Crime (México)

1954 Aventuras de Robinson Crusoé (México)

1954 Escravos do Rancor (México)

1954 A Ilusão Viaja de Bonde (México)

1953 O Alucinado (México)

1953 O Bruto (México)

1952 Mulher Sem Amor (México)

1952 Subida ao Céu (México)

1951 La hija del engaño (México)

1951 Suzana, Mulher Diabólica (México)

1950 Os Esquecidos (México)

1949 El gran calavera (México

1947 Gran Casino (México)

1937 Coração de Soldado (co-diretor) (Espanha)

1936 A Menina Raptada (co-diretor) (Espanha)

1933 Las Hurdes (documentário de curta-metragem) (Espanha)

1930 A Idade do Ouro (França)

1929 Um Cão Andaluz (curta-metragem) (França)

 

Anúncios

2 opiniões sobre “30 anos sem Buñuel”

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s